O senador Weverton (PDT-MA) criticou o decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro que autoriza a preparação de um modelo de privatizações para unidades básicas do Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com o parlamentar, a ação do presidente é o primeiro passo para a privatização e retiradas de direitos de acesso à saúde pública.

“O SUS é patrimônio dos brasileiro, um sistema que salva vidas. Na pandemia, a sua importância ficou ainda mais evidente para todos. Não permitiremos o sue desmonte ou privatização”, declarou Weverton.

O Brasil possui mais de 42 mil unidades básicas de saúde. Não há uma estimativa de quantas nem quais podem ser incluídas no plano de concessões.

O decreto de Bolsonaro inclui as unidades básicas de saúde nas opções do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Presidência da República. Trata-se de um programa de concessões e privatizações. O texto prevê estudos “de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de unidades básicas de saúde”.

“É um absurdo, especialmente agora, quando o SUS é a principal ferramenta de combate à pandemia principalmente para as pessoas de baixa renda. Vamos trabalhar para sustar esse decreto”, explicou o parlamentar.