Comecei o ano cobrando que a pauta prioritária, tanto no Executivo, como no Legislativo, fosse a geração de emprego e renda. Infelizmente, o que vimos em 2019 foram novos e duros retrocessos nos direitos trabalhistas e poucos avanços para aqueles que enfrentam o drama de buscar o sustento próprio e da família. Lamento. Mas não desanimo. E insistirei nessa pauta em 2020, atuando concretamente por meio do Orçamento da União, destinando recursos para áreas que têm potencial para estimular a economia no Maranhão.

Dos quase 16 milhões de reais que posso indicar como emenda individual na Lei Orçamentária Anual, ainda destinarei parcela significativa para o financiamento da saúde, como fiz em anos anteriores. Em 2018, por exemplo, todos os recursos de emendas minha foram para a saúde. Fiz isso porque entendo que se trata de um serviço fundamental para a população, que os municípios e o estado têm dificuldade de bancar. Toda ajuda é bem-vinda.

Mas para o próximo ano, também estou destinando recursos para o investimento no desenvolvimento regional, no turismo e no esporte. O objetivo de injetar recursos nessas áreas é criar alternativas de geração de renda e emprego, por meio de capacitação e por abertura de postos de trabalho de forma direta ou indireta.

É claro que só uma política econômica, equilibrada e planejada em nível macro, pode recuperar a economia brasileira e mudar a situação dos 12,5 milhões de desempregados e 11, 8 milhões de trabalhadores atuando na informalidade. Mas, iniciativas menores também podem ajudar. E para além dos assombrosos números divulgados pelo IBGE, existem pessoas esperando por uma oportunidade para trabalhar. E neste caso, mesmo que não se possa mover o mar, cada gota d´água conta.

Acredito na força do setor produtivo para gerar emprego e renda. Mas acredito também que, em economias frágeis como a brasileira, marcada pela profunda desigualdade de renda, o Estado precisa se fazer presente, em linha auxiliar à iniciativa privada, criando postos de trabalho por meio de investimentos diretos, como construção de estradas e moradias, estímulo à agricultura familiar e ao surgimento de novos polos turísticos.

Isso pode ser feito em nível nacional ou local, com obras dos governos federal, estadual ou municipal. Foi pensando nesta estratégia que defini a destinação de recursos das minhas emendas parlamentares individuais, garantindo recursos para investimentos locais, que podem gerar postos de trabalho.

Espero que, por meio das minhas emendas, as vidas de alguns milhares de maranhenses sejam impactadas positivamente no próximo ano.

A ação concreta no Orçamento da União será uma linha de atuação.

Em outra ponta, no Senado, continuarei cobrando uma política econômica mais focada em resolver o problema do trabalhador e dos empresários que realmente fazem esse país, e menos em garantir lucros para o setor financeiro, que só ganha com a especulação.

Foi com esse pensamento que atuei durante todo ano e será este o pensamento que me guiará em todo o mandato. Afinal, a pauta mais urgente do Brasil continua sendo a geração de emprego e renda. Não apenas porque os números precisam melhorar. Mas principalmente porque a vida de cada um precisa melhorar. E, para isso, cada vez mais brasileiros deverão ter acesso a trabalho digno e remunerado adequadamente.

Weverton, senador do Maranhão e líder do PDT no Senado