Em 2006, durante a campanha para o governo do estado, Jackson Lago levantou o povo do Maranhão, em um movimento cheio de emoção e civismo, que resultou na vitória histórica do povo contra a oligarquia Sarney. Lembro, como se fosse hoje, da alegria estampada nos rostos das pessoas que comemoravam, na praça Maria Aragão, o fim de um ciclo e o início de uma nova era. O governo durou pouco mais de dois anos e dr. Jackson foi cassado, para que em seu lugar assumisse Roseana Sarney.

A cassação aconteceu há exatos 10 anos. Naquela época, parecia que o sonho tinha acabado. Mas os ideais de um grande homem aliados à força de um povo garantiriam que os novos tempos, mais cedo ou mais tarde, acabariam se sobrepondo a qualquer articulação política, a qualquer “força maior”.

Jackson infelizmente não voltou a ser governador, nem chegou a ver o seu Maranhão totalmente livre do grupo que ele derrotou na urnas em 2006. Mas abriu o caminho para que isso acontecesse em 2014, num passo sem volta.

Sua luta, como prefeito da capital, como liderança política estadual, como homem que inspirou gerações, formou um legado que vem se desdobrando até hoje em vários espaços públicos.

Uma foto, que volta e meia ilustra matérias e postagens sobre dr. Jackson, é um bom exemplo disso. Nela, estamos eu, o hoje deputado federal e secretário estadual, Rubens Jr, e o professor e ativista Márcio Jardim, ainda muito jovens, sentados em torno dele, aprendendo com sua sabedoria a arte da militância. Como nós, vários políticos, militantes e ativistas aprenderam com Jackson Lago o valor da lealdade e dos ideais da boa política.

Hoje, somos uma geração forjada na luta, que conseguiu compreender a mudança dos tempos e se afinar com a vontade do povo maranhense. Temos a missão de manter acesa a chama da transformação iniciada em 2006 pelo dr. Jackson, pausada pela golpe de 2009, mas retomada pela marcha inexorável da história.

Em tempos de um apego inexplicável o ao passado conservador e autoritário, lembrar o golpe de 2009 é muito mais um exercício de futuro, um reconhecimento dos valores democráticos e libertários que nos guiam desde então e que devem ser a base para uma história que se movimenta o tempo todo para construir um hoje e um amanhã melhores para o nosso povo.

Cassaram Jackson em 2009. Mas não cassaram sua voz, não cassaram nossa capacidade de luta. Resistimos no Palácio dos Leões naqueles dias, resistimos nas eleições de 2010 e continuamos resistindo, mesmo depois de vencer as eleições de 2014, porque o verdadeiro inimigo não é o grupo, mas a pobreza e a falta de desenvolvimento que esse grupo nunca combateu.

Jackson segue vivo em nossa memória para nos recordar todos os dias que derrotar o grupo Sarney nunca foi um fim em si, mas um meio de trabalhar por um Maranhão mais justo para os maranhenses. Enquanto não alcançarmos essa meta, seguimos na luta, como ele nos ensinou.

Weverton, senador, presidente estadual do PDT e líder do PDT no Senado