O dia seguinte ao bom combate

316

Neste domingo, o Brasil escreveu uma triste página da sua história política. Ciente do momento sensível em que se encontra a política brasileira e agindo pelo bem do povo brasileiro, alertei, desde o início, que o quê estava em discussão, não era se o governo do PT fosse bom ou ruim, mas um crime de responsabilidade de um presidente da República, o quê, diante de tantos conflitos em pauta, não caberia erros ou decisões com base em rivalidades partidárias.

12121O Brasil é um país de muitas diversidades, de muitos costumes, que sempre conseguiu superar momentos difíceis, como guerras e confrontos. Todos sabem  das grandes lutas que tivemos, como a Revolta dos Alfaiates, na Bahia, a Inconfidência Mineira, em Minas Gerais, as revoluções de Farroupilha, a Sabinada, na Bahia, a Balaiada, no Maranhão, a Guerra do Paraguai, no sul do Brasil, e a famosa Diretas Já.  Por tudo que o meu Brasil passou, e pelos verdadeiros heróis da pátria, entre eles, Leonel Brizola, Jackson Lago, Neiva Moreira, que defenderam, com as suas vidas, com as suas honras, as suas posições, e que orgulharam o verdadeiro trabalhismo no Brasil, votei contra o impeachment de Dilma Rousseff.

Lembro-me muito bem do discurso de promulgação da Constituinte, proferida pelo então presidente da Câmara dos Deputados Ulysses Guimarães. Na oportunidade, Ulysses relatou que um sentimento de mudança da nação ecoava nas ruas, e que o parlamento deveria fazer a sua parte. Disse ainda que a Carta não era perfeita, que precisava de reformas, mas, à ela, respeitar sempre. Discordar poderia, várias coisas. Mas, rasgá-la, traí-la, jamais. Desta forma, sabendo o que custa a luta da tirania, a luta da grande elite, não poderia me abster deste momento, em defesa do Estado Democrático de Direito e da Constituição Federal.

Embora perplexo com a decisão de domingo, mas não vencido, reitero que continuo acreditando no Brasil. As últimas eleições presidenciais dividiram o país ao meio. Neste momento delicado, peço ao povo brasileiro que se desarme. Até o dia da urna lutaremos em defesa da Constituição com responsabilidade. Não vamos nos igualar àqueles que, com destemperamento e falta de juízo, protagonizaram um movimento tão agressivo de destituição de um representante eleito, de forma democrática, como foi o caso da presidente Dilma Rousseff.

Perdemos uma batalha, mas ganho forças em busca de outras vitórias. O PDT vai dar a sua contribuição, por um Brasil com oportunidade para todos, lançando, em 2018, Ciro Gomes à presidente da República. Vou continuar trabalhando, em Brasília, por um  Maranhão com escola de qualidade para as nossas crianças, mais saúde para a população, distribuição de renda, que seja a favor dos trabalhadores e pelos direitos dos aposentados.